Thursday, June 14, 2007

Mulheres, precisamos mais dessas.

No colégio, eu tinha uma colega que se chamava Mariana.

Simpaticíssima, alegre, divertida, uma excelente pessoa. Baixinha e “folgada”, não podia fugir à regra: todo baixinho é “folgado”.

Mas, tinha uma hora que Mariana brilhava, e eu a vi várias vezes brilhando. Ela era jogadora de futebol, e craque. Passava a bola debaixo das pernas dos meninos, e tinha domínio de bola como poucos. Aventurei-me a brincar com ela, e as únicas vezes que toquei na bola foi porque ela deixou.

Porque estou voltando à minha infância neste texto? Eu queria falar sobre quebra de paradigmas, ou melhor, preconceitos rompidos. Uma pessoa atualmente se encaixa muito bem neste rompimento: a bandeirinha Ana Paula Oliveira.

A assistente foi suspensa por três jogos do campeonato brasileiro, depois do jogo Botafogo e Figueirense pela Copa do Brasil, por causa de dois lances polêmicos. Em um lance marcou impedimento do jogador do Botafogo; em outro, marcou que um jogador do Botafogo (impedido) estivesse atrapalhado o goleiro do Figueirense no gol.

Em entrevista ao jornal “Folha de São Paulo”, Ana Paula Oliveira afirma que no primeiro lance errou por milímetros; já no segundo, o jogador impedido participou da jogada que resultou no gol.

Depois de muita polêmica, a bandeirinha vê sua carreira no futebol cada vez mais distante, e pensa em outros caminhos: apresentadora de tv para programas esportivos, garota propaganda, ou talvez a dramaturgia. Ana Paula ainda pensa em ser auxiliar numa Copa do Mundo, e para isso afirma estar se condicionando para ter o mesmo desempenho que os árbitros masculinos.

Sem questionar se ela errou ou não nos dois lances, o fato que a bandeirinha Ana Paula de Oliveira é uma mulher como poucas. Permanecer num ramo dominado por homens, onde existe o preconceito, e derrubar barreiras com muita competência é para poucas.

1 Comments:

At 8:08 AM, Blogger Paulo Henrique said...

Quebrar paradigmas é necessário como parte de questionar sobre as verdades que acreditamos. Porém, você deve eliminar imediatamente essa falácia "Todo baixinho é folgado". O estudo da lógica não lhe permitiria afirmar isso. Até mais!

 

Post a Comment

<< Home